sexta-feira, janeiro 7

Refém da solidão


.Um raminho de manjericão fresco e uns botões de rosas falsas dão graça ao ambiente hostil que me encontro - um arranjo do meu desarranjo - uma mesa simples porém arrumada (curto isso)
..Antes de escrever e moldar o final da  história - minha e a de Cuba pelos caminhos percorridos e conquistados (" A experiência individual não vale de nada se não for compartilhada" - frase do Tio None), devo admitir uma falha, um refúgio, uma solidão - essa, vem, vai, passa, arde o peito, aperta o coração... Mando uma música...

Estava aqui dando alguns toques e retoques da próxima trip (Europa) mas lá vai, não aguentei e...
Mas não dizem que é na ausência que se constrói a saudade... e também que a saudade não é o tempero do amor??! Eis então música de Paulo C Pinheiro - Refém da Solidão


Quem da solidão fez seu bem
Vai terminar seu refém
E a vida pára também
Não vai nem vem
Vira uma certa paz
Que não faz nem desfaz
Tornando as coisas banais
E o ser humano incapaz de prosseguir
Sem ter pra onde ir
Infelizmente eu nada fiz
Não fui feliz nem infeliz
Eu fui somente um aprendiz
Daquilo que eu não quis
Aprendiz de morrer
Mas pra aprender a morrer
Foi necessário viver
E eu viviMas nunca descobri
Se essa vida existe
Ou essa gente é que insiste
Em dizer que é triste ou que é feliz
Vendo a vida passar
E essa vida é uma atriz
Que corta o bem na raiz
E faz do mal cicatriz
Vai ver até que essa vida é morte
E a morte éA vida que se quer
PQP! Essa música diz tudo ou engana tudo! nota 10
Até amigos

7 comentários:

José Caparica disse...

Achei o "Refém da solidão" um pouco triste... Estou esperando um texto onde você fuce mais seu interior. seis textos me interessam. Um beijo.

Leo Mandoki, Jr. disse...

existe várias formas de solidão...não acho assim a música tão nota 10...acho até um pco enfadonha, mas enfim..quem a fez deve saber pq a fez né. Existe uma forma de solidão espiritual que é apaziguadora. Geralmente, as pessoa sós não conhecem a solidão espiritual...geralmente...
um beijo

Olavo disse...

Gostei...gostei muito..letra e musica..
Já desejei boa semana pra vc??rs ja né.
Beijão

Janaina Cruz disse...

Certa vez, fiz um poema assim:


A saudade é uma deusa vestida de neblina, fazendo lembranças amanhecerem em nossa janela... Como presentes, que o tempo amadureceu, e nosso eu não esqueceu, do doce gosto que tem... Janaina Cruz

Saudade nos segura com mãos firmes difíceis de soltar...

Gostei muito do teu blog, sigo o

Abraços

Valentim Coelho disse...

Olá,
tem por aqui bonitas fotos.
cumprimentos

Janaina Cruz disse...

A saudade fica solta no ar...

Deixo te abraços

Wagner Passos disse...

Êxtase... acabei pegando a versão do Baden Powell para ouvir.