quinta-feira, dezembro 23

Eu te amo... não diz tudo!

Uma pausa em Expedição Cuba!(...)
2010! Um ano inteiro ao fim. De um fim para um começo. E é tempo de (re)começar...

Nos tempos de menina rebelde, sapeca e inocente sentia uma certa felicidade no mês de dezembro. Porque era fim de ano, porque eram férias escolares e sempre íamos à praia, porque sabia que a grande família estaria toda reunida, porque ganharia aquele tão esperado presente e porque era absurdamente louca pra completar logo meus 15 anos - pensava que alguma coisa de espetacular aconteceria nos meus 15 anos! (...) Sempre assim, nesse mesmo ritmo de sinais positivos perante a um coração vazio, mas cheio de expectativas ao ano seguinte.
E o ano dos meus 15 anos chegou! Meninas sorridentes de peitos "verdolengos" apontados para a lua fazem escolhas: ou festa ou Disney! Não tive escolhas. Eu só queria alguma coisa, mas não sabia o que era. Mesmo assim, sem muita manifestação ganhei uma festa. E foi ai que descobri como é bom ganhar presentes e  porém, como é ruim aquela amiga riquinha lhe presentear com uma blusa de marca ao qual não te serve. A porr@#$% da blusa fica lá no guarda-roupa até o dia que sua mãe descobre e dá pra filha da empregada. ( e como ficou linda nela)...
E outros anos se passaram... outros sorrisos, outras lágrimas, outras pessoas, outras viagens, outros amigos, outras aventuras.... outras e outras coisas mais... mas nessa mesma vida. Vida essa que se morre e se (re)vive, que se cansa, que se acostuma, que se conquista, que se exige!(...)
Quando menina sentia uma certa felicidade na certeza de que meus pais estariam ali, no quarto ao lado. Sonhava com um quarto só pra mim, mas eu tinha ali, duas irmãs, companheiras de fim de noite até se transformarem em personagens dos meus piores pesadelos. (o medo tomava conta naquele quarto - mas sabíamos que o quarto dos pais ficava ao lado e corríamos pra lá, antes que alguma bruxa nos pegasse)...
Já não vivi mais aquela tal felicidade. E que nem sabia que o que sentia ou o que vivia era a mais pura de todas. Já não há ceias fartas com toda uma família e gerações. Já não divido quarto com as minhas antigas companheiras e nem choro de medo por elas e com elas. Já não sinto aquela mesma segurança de saber que no quarto ao lado poderia encontrar todas as noites duas pessoas que diante de tudo, faziam-me feliz e protegida.
Meus 15 anos passaram e com eles tudo aquilo que lhes pertenciam.
Dez anos depois, encontro-me com aquele mesmo coração vazio e com aquela mesma vontade de ter alguma coisa. A diferença é que hoje eu já sei o que quero... Eu quero é dizer:
"Eu te amo!"... não diz tudo, mas digo  para quatro pessoas que fizeram e fazem parte da minha construção, da minha base... dessa louca arquitetura que somos moldados. O amor é sentido. E eu sinto amor, sem ofegar, mas com muitos suspiros. Eu sou o amor porque me sinto amada. Na distância, na doença, na tristeza... eu sinto o amor, principalmente nessas ocasiões. Nas minhas decisões, nos acontecimentos, nas minhas aventuras e nos meus desapegos... é tão forte que chega ser visível.
Sou amada porque me deixam ser... deixam-me por ai, pelo mundo. Porque sabem que sou aquela base sólida de amor aonde quer que eu vá. Eu os amo porque os deixo ser. (todos longe porém muito próximos). E desse amor nasceu mais uma vida - sou tia de um lindo ser que veio ao mundo pra mais uma etapa e uma geração. Eu também o amo, mas não o vejo. Ele sente, porque quando se tem vida se tem amor. (Minha irmã do meio vive em outro país, minha irmã mais velha vive em uma outra cidade e meus pais também).
Talvez já tenha dito mais vezes "eu te amo" à um homem do que pra minha família...
Mas dizer "Eu te amo", NÃO DIZ TUDO!
Porque o amor verdadeiro é sentido e não falado. É vivido e não sonhado. É eterno e não "infinito". É constante e não momentâneo.
Já tenho de volta aquela felicidade de menina. Porque hoje, em dezembro, revivendo momentos com minha família, já ganhei um presente e mesmo não estando de férias posso desfrutar de uma paz conquistada por um coração ainda vazio - meu maior presente é poder amar vocês e saber que, mesmo se falar... NÃO DIZ TUDO!
Feliz Natal a todos e que venha 2011 - não é o país do futebol?? Então a gente mata no peito!!!

13 comentários:

Florentino disse...

paz, amor e carinho pra vc neste Natal

Leo Mandoki, Jr. disse...

parabéns pelo teu sobrinho...com o tempo vc vai descobrir um outro tipo de amor: o amor possível...a vida não é fácil...na maior parte das vezes, no dia a dia, nós damos e recebemo o amor possível...e se dizer não é tudo, mas vale não dizer...dps disso que li, tenho mesmo a certeza de que vc só ama 4 pessoas, e deve mesmo amá-las eternamente e só dizer a elas o qnt as ama...só a elas.

Leo Mandoki, Jr. disse...

bom natal

Eduardo Miguel disse...

Olá Tatiana! prazer em conhece-la!!!rs
Fiquei feliz pela visita e comentário espero que possa voltar em outras oportunidades, por aqui gostei de viajar e adorei ver que parte do que sempre falo e tenho dito: Falar é fácil fazer é que são elas ame e será amado respeite e será respeitado faça feliz e ela lhe alcançará viva e deixe viver! abraço grande e boa viagem sempre!

André disse...

Bom dia, Tatiana,

o teu blog é encantador, adoro relatos de viagem e os teus são magníficos. Conheço boa parte de por onde pisaste e foi como se tivesse andado de volta por esses lugares. Virei aqui mais vezes.

Obrigado pela tua simpática visita a meu blog. Aproveito para te deixar meus melhores votos de um feliz ano de 2011 pleno de boas realizações.

Um abraço, meu carinho.

André

Mariano P. Sousa disse...

Ôi Tatiana!
Viajando nesse mundo virtual parei um pouco e esse seu texto deu continuidade a minha viagem só que com mais vontade de seguir descobrindo a vida.
Magnífico texto.
Parabéns!

Olavo disse...

Belo texto...se sente de longe o amor que diz nele..
Parabens moça..
beijos

Cáh disse...

Assim seja!!!



concordo, é preciso muito mais!


Um Beijo

gabyshiffer disse...

O texto traduz amor...
tá lindo

Vim conhecer o seu blog e adorei
já estou te seguindo...
:)
“Não importa onde você parou...
Em que momento da vida você cansou...
O que importa é que sempre é possível recomeçar.
Recomeçar é dar uma nova chance a si mesmo...
É renovar as esperanças na vida e,
o mais importante...
Acreditar em você de novo” (Drummond)

Feliz 2011 pra vc...
Bj♥s na Alma!

Eu... disse...

hummmm... e como foi o seu aniversário de 18 anos??? :)
bjks.

Malu disse...

Menina, o verdadeiro amor se percebe nos olhos e a voz do coração, que é sempre silenciosa, além do que - EU TE AMO - na maioria das vezes, não diz nada!
Um belo relato.
Abraço

Carlos Leite disse...

A questão dos 15 anos é sempre relativa. Durante a experiência da vida, ficamos sempre à espera de algo. De alguma meta, de algum sonho... É isso que nos possibilita viver melhor dia após dias. A esperança, o sonho. Viva a sua vida sempre como se faltasse um dia para completar 15 anos :)
Abraços,
Carlos Leite

Wagner Passos disse...

Mais uma frase que vira um lindo grafite: "Mas dizer "Eu te amo", NÃO DIZ TUDO! Porque o amor verdadeiro é sentido e não falado."