sábado, maio 26

Expedição Peru - pArTe 2





P.S.: Confesso que apesar de ter lido alguns pequenos livros de Paulo Coelho, nunca dei tamanha importância para o mesmo, mas ao lê-lo na revista de domingo no jornal O Globo, sobrepondo-se ao antigo horóscopo gostei do que li, principalmente quando cheguei na parte atribuída à Loren Eisley:
"A viagem é difícil, longa, às vezes impossível. Mesmo assim, conheço poucas pessoas que deixaram deter por essas dificuldades. Entramos no mundo sem saber direito o que aconteceu no passado, quais as consequências que isso nos trouxe e o que pode nos reservar o futuro. Procuraremos viajar o mais longe que pudermos. Mas, olhando a paisagem à nossa volta, sabemos que não será possível conhecer e aprender tudo. Então, nos resta lembrar tudo sobre nossa viagem, para que possamos contar histórias. Aos nossos filhos e netos, vamos relatar as maravilhas que vimos e os perigos que corremos. Eles também nascerão e morrerão, contarão suas histórias aos seus descendentes, e a caravana ainda não terá chegado ao seu destino."
1ª foto: Acordamos no hotel Mariel - no centro nervoso de Lima(ainda iremos conhecer minuciosamente a capital, mas no final da viagem, aguardem!) e que calor! De volta ao aeroporto mas com destino local: Cusco/z - español e português respectivamente. Ainda vou saltar de pára-quedas!... Nosso medo era a mudança drástica de temperatura, portanto casacos na mão. Dito e feito, piloto nos avisa: 10°C en la ciudad del Cusco! Buenas tardes chicos! -Fadul não se limitou ao tirar suas fotos! Onde estava Sávia? Lendo revista Caras, rs
2ª foto: Além do frio (geladeira), o vento arrepiava minha espinha dorsal, o casaco não estava adiantando, claro que tinha na mala, mas pera ai, eu aguento chegar no hotel! Por um momento esqueci do frio, pq? Simples, sabe quando alguns peruanos ou bolivianos tocam aquelas músicas andinas no meio da cidade e que todo mundo acha um saco, pois bem, eles estavam por lá... mas eu adoro(muito), já comprei cd desses caras... comprei até uma flauta... dá vontade de sentar por ali mesmo! Mas o frio continuava e isso era surreal!
3ª foto: Eis então, Cusco!(Umbigo do mundo) Essa cidade no meio de tantas montanhas e de gente cultivada, raízes da simplicidade e gestos admiráveis... Mas pq Cusco? É através dessa cidade que partiremos para o grande sonho (Machu Picchu) e o sonho começava a brotar no grande alvoroço que foi conhecer essa que, de uma certa forma, também me fez ser! Fomos para o Hotel Cristina, repleto de símbolos, arquitetura antiga mesclada na arte local e "artesanía"...chegamos no tão esperado quarto, algo de misterioso estava acontecendo, estávamos pluralmente ofegantes, meu coração palpitava e quanto mais respirava menos ar tinha, começamos então a mastigar "hojas de coca". Antes que pensem besteira, "La hoja de coca no es droga, es sagrada" Coloquei aquilo na boca, um olhando pra cara do outro, tivemos uma perfeita dica: por favor não podem engolir, apenas mastigar, pq terão uma certa dor de barriga. Mas a boca ficou dormente e com um gosto exclusivamente de mato, o sentimento de Vaca no pasto aumentava, rs.
4ª foto:... e os Incas começam a dar sinal de vida?! Nos museus, nas fachadas, muros...
5ª foto: centro de Cusco - as catedrais me fascinam, somente pela arquitetura/construção, pq na verdade - em meio a tanta pobreza que hoje é predominante no Peru, esses "catequizadores" vieram pra cá (Francisco Pizarro, padres, e o caralho a quatro) com intuito de consumir, ter, colonizar, destruir impérios categoricamente fixados na região e é claro mostrar a tão piedosa e fascinante religião - configurada em riquezas e guerras. Mas por um outro lado a destruição é "aceitável" de forma a construir e aceitar o novo... Mas pera lá, aonde fica a dignidade? O q esse povo pôde/ pode fazer diante de tanta novidade? São os eternos colonizados (nós também).
6ª foto: é sério, para aguentar essa cidade, só mesmo com o chá, o dono do hotel bateu em nossa porta, haja visto que estávamos "diferentes", trouxe-nos essa bebida quente para que passássemos os dias - chá de folha de coca, na mesma hora sentimos A DIFERENÇA, pulmões abertos, puxei o ar, então lá vai: um brinde a nossa aventura inesperada... Contemplei profundamente a beleza escondida que foi aparecendo a medida que começamos a entender o lugar periclitante.
Até mais que breve. "!Hasta pronto!"









3 comentários:

Anônimo disse...

Querida Tati,
É sempre com um enorme prazer que passeio pelas tuas divagações. Como é revigorante poder enxergar a alegria viva e pulsante no que escreves, um sopro recheado de virtudes tão raras no atribular da vida. Se um dia estiveres no deserto existencial (que nunca chegue tal dia) conte sempre com o meu oásis para saciar a solidão. Te desejo um cálido solfejo em notas raras, cantado por uma ave canora pousada delicadamente no seu ombro. Do amigo d´além espaço, Marcelo.

£ainy disse...

Fui à Peru contigo neste texto.
Muito bom o teu blog Tati.
As catedrais tb me fascinam, uma beleza rara de se ver. Quem dera eu poder rodar pelo mundo a fora, agora!
Mas se Deus quiser um dia vou conhecer, pois amo viagens.
Estarei sempre por aqui viu?
bjos! Lainy

Marcus Anversa disse...

Oi Tati,

Estou realizando agora a minha viagem virtual ao Peru através deste blog. Em 2013 espero visitar este país e compartilhar em loco as impressões que tiveste em sua viagem à nação andina.

Bj