segunda-feira, março 16

Expedição Panamá - PaRtE 1

Um pouco de história:
América Latina minha tão querida: é formada por 20 países ( e eu já conheço 15) unidos por uma história e uma cultura comuns... apesar do Brasil não ser tão "hermano" e mais um "primo" desses países, temos traços, frustrações e caminhos de luta! O que nos totaliza e nos identifica como mestiços, creolos, indígenas...
Falando em nós, "o primo rico", somos considerados como emergentes no cenário internacional, participando ativamente dos debates na comunidade global e até mesmo pleiteando uma vaga no conselho de segurança da ONU... Apesar de todos nossos problemas sociais, estamos longe da situação crônica de pobreza que assola a maioria dos países latinos...
Aquele trecho de Ferreira Goulart que amo e que enfatiza :"somos irmãos, não pelo mesmo sangue que corre em nossas veias, mas pelo mesmo modo como derramamos"...
A história da América Latina tem sido um conflito e um choque nos povos que a formaram. As elites descendentes de europeus continuam a explorar as nações pobres de ascendência indígena.
A miscigenação que formou nossa cultura, a cultura do povo latino, não foi espontãnea , mas imposta pelas armas, pelo estupro, pelas veias abertas, pelo sangue!
Sem contar na desigualdade social, problemas com educação, corrupção, humilhação...
A partir de tal descontentamento do povo, diversos movimentos eclodiram ao longo do século passado, desde tenentes de Carlos Prestes no BR, aos guerrilheiros sandinistas que tomaram o poder na Nicarágua, revolução Cubana ( a que inacreditavelmente foi a mais bem sucessida - Che Guevara, Raul e Fidel Castro)... falarei mais sobre em outro post...

Chega de dor, chega de exploração... "Pátria o Muerte"...

Panamá...


Capital: Panamá City / Casco Antiguo

Moeda: Balboa (1 dólar – 1 balboa)
cidades: Cidade do Panamá, San Miguelito, David, Colón, Casco Antiguo
Fuso Horário: - 2 horas (em relação ao Brasil); - 5 horas (UTC)
onde hospedar: Casco Viejo 10 dólares a diária em Casco Antiguo
8horas de vôo direto, voando com Copaairlines
Brasileiros não precisam de visto prévio. A minha entrada no país foi carimbada no aeroporto, no departamento de imigração.

Cheguei no areporto logo achei vários taxistas credenciados, falei com dois para negociar preços...
28 dólares até o albergue.
Pude já perceber que a cidade onde estava indo era velha, mas não toda em frangalhos, nem feia... uma cidade cultural, uma cidade agradável, calma....
Deixei minhas coisas, conheci o quarto (um espanto - 8 camas e todas ocupadas), ainda bem que reservei pela internet antes de chegar...depois foi tudo ajuda do Lonely mesmo!
Pois bem, fiu logo na rua, dando uma voltinha, estava bem escuro e eu ainda nao estava acreditando que estaria fazendo algo que muuitos e até eu mesma duvidou... nao tem jeito sonhos são sonhos. Quandci voltei conheci as pessoas do quarto e sem saber a partir daquele momento minha viagem se iniciava, startada numa situação de - globalização total-
Foi difícil pra dormir, primeiro pq eu nao tinha levado tolaha, quando pedi a menina da recepção, ela me deu uma toalha de rosto- oensei( eu acho q me expressei mal em espanhol , pq ela entendeu toalha de rosto) mas nao, era a única que tinha mesmo... então fui lá toma banho - água gelada e um banheiro bem colonial, assim como todo albergue... Tomei um banho como podia e fui deitar, conversei com alguns e pronto... tentei viarar para o lado pq na frente tinha um casal alemão me chamando pra jogar cartas. Boa noite gente! Boa noite Deus


Logo acordei e fui pelas ruas, conheci um taxista que me fez um preço legal por todo dia de corrido.
Toda a América Central se utiliza como meio de transporte público, onibus escolar americano, velho, porém com música ambiente, decoração personalizada ( cada um pode ter o seu) e uma suavidade nos sorrisos das pessoas que as compoem...
Em Casco Viejo: A caminhada começou no Paseo las Bovedas, de onde pude ver a Ponte das Américas. No caminho, existe um monumento na Plaza de Francia que homenageia 22.000 trabalhadores da França, Guadalupe e Martinica mortos na construção do canal (falarei no próximo post). Há, também, um busto do médico cubano Carlos J. Finlay, que descobriu como os mosquitos transmitiam a febre amarela. No caminho, vi o Teatro Nacional (construído em 1907), o Ministério de Governo e o da Justiça (construído de 1905 a 1907), o Museu de Arte Religiosa Colonial, as ruínas da Igreja e Convento Santo Domingo, a Igreja de São Francisco (1673) em frente ao Parque Bolívar (onde há sua estátua construída em 1426), o Palácio Presidencial, onde são criadas algumas garças (elas representam as províncias do Panamá), o Palácio Legislativo, o Museu da História do Panamá, o Museu do Canal Inter-Oceânico, a Catedral, a Plaza de la Independência (onde foi declarada a independência do país, em 1903) , o antigo presídio (Bovedas), hoje transformado em galeria de arte, e outros museus e igrejas (Igreja de La Merced, Igreja de San José, Igreja e Convento da Companhia de Jesus e Igreja Santa Ana).


O povo: um passeio que me deixou a vontade, tranquila e pude testemunhar momentos com eles... a desigualdade social é grande, a cidade tem muito carro velho, pobreza,porém a capital é fechada como uma espécie de dominó - prédios um do lado do outro... parecem peças de dominó...
Há uma grande quantidade de ônibus urbanos e intermunicipais em vários terminais na cidade, inclusive uma grande e moderna estação rodoviária. Uma passagem num ônibus urbano custa US$ 0,37. Os táxis são também são muito baratos. Uma corrida para qualquer ponto da capital custa US$ 2 (não se usa o taxímetro). O motorista vai pedir o que quiser, dependendo da cara do turista. Pechinche! O preço é fixo, não pague nada mais que o valor citado.
Hasta amigo com mais aventura

2 comentários:

Eu... disse...

Muito bacana o post. É sempre bom compartilhar dicas de viagem.

Parabéns!

Anônimo disse...

Da forma como escreve, posso te dizer que você é muito talentosa. Uma hora a oportunidade que você espera irá pintar. Pense positivo. Só para finalizar: Calma Tatiana !